SINTOMAS URINÁRIOS E GENITAIS PÓS MENOPAUSA

10/03/2019

A SÍNDROME GENITOURINÁRIA DA MENOPAUSA (GSM), antigamente chamada de vaginite atrófica ou atrofia vulvovaginal, afeta aproximadamente metade das mulheres na menopausa. Esse número ainda não é tão preciso, acredita-se que afete ainda mais mulheres pois muitas  sentem-se constrangidas em falar sobre seus sintomas e acabam não procurando tratamento. Causada pela diminuição dos níveis de estrogênio, leva à alterações na região genital, bexiga e uretra.

As queixas mais comuns são:

Genitais: Irritação na região da vulva e vagina, ressecamento, coceira, sensação de queimação, dispareunia (dor na relação sexual) devido à redução da lubrificação, incômodo para sentar ou secar o xixi.

Urinárias: Aumento da frequência e urgência miccional, incontinência de urgência, cistite de repetição, e predisposição à infecções urinárias

Dentre os tratamentos disponíveis estão: o uso de estrogênio vaginal que é seguro para a maioria dos pacientes e tem bons resultados melhorando os sintomas urinários e reduzindo as infecções, a laserterapia ainda com poucas evidências científicas e a fisioterapia.

É recomendado também o uso de hidratantes vaginais, e lubrificantes à base de água ou óleo vegetal para melhorar o desconforto na relação sexual.

O estrogênio é importante para manter a integridade do conjuntivo, a queda na produção desse hormônio leva à frouxidão ligamentar aumentando o risco de incontinência urinária de esforço e prolapsos, por isso é indicado o trabalho preventivo de reforço da musculatura do assoalho pélvico. Para as mulheres que apresentam sintomas a fisioterapia além de tratar a incontinência, pode auxiliar na melhora da lubrificação, da vascularização local, e da dor na relação sexual. Muitas mulheres desenvolvem um aumento de tensão na musculatura por causa da dor durante o ato sexual, essa dor desencadeia uma resposta reflexa gerando aumento da tensão todas as vezes que há tentativa de penetração, nesse caso é necessário normalizar da tensão dessa musculatura.

A fisioterapia do assoalho pélvico é indicada não só para mulheres após a menopausa, mas também para aquelas que ainda não chegaram nessa fase mas desejam realizar um trabalho de prevenção.

Viviane Ferraz Monteiro - Doctoralia.com.br
 Email: vmonteiro.fisioterapia@gmail.com                     WhatsApp:  (62) 98172-8722 ou (62) 4102-1460
Endereço: Av. T-61, no. 270, sala 208 - Setor Bueno - Goiania - GO - EM FRENTE AO SHOPPING BUENA VISTA                          
Desenvolvido por Webnode
Crie seu site grátis!